AMOR MAIOR DO MUNDO

     Após alguns tropeços nesse início de uma nova vida, volto hoje pra contar como tem sido esses dias que se seguiram após minha última postagem aqui no blog. Sofri muitas pressões, fui acometida por uma terrível culpa por tudo o que aconteceu (ex marido), mãe sempre fazendo questão de relatar a tristeza dela com tudo isso, filho querendo os pais juntos, ex marido apresentando meu filho pra mulher que ele acabou de conhecer, e escondido de mim... aff! De repente, fui terrivelmente confrontada com a realidade.. a vida segue, pra todo mundo... e a possibilidade de ver meu filho cuidado pela madrasta que o pai arrumou rápido e de repente, foi uma pancada forte no peito... enfim... surtei... até que demorou pra acontecer, sei lá.

     Ver um filho se dizendo infeliz com a nova situação é muito difícil. Ele gosta  da Val e sempre deixou claro isso, porém enfatizando que prefere o pai junto com a mãe dele. Sei que outras pessoas colaboram negativamente com tudo isso que ele sente, dizendo coisas pra ele, apresentando pro meu filho um preconceito e falta de respeito que eu nunca mostrei à ele, de repente a educação livre que eu dava foi por água abaixo. Por várias vezes desde que me separei ele demonstrou preconceito e desrespeito com homossexuais, atitudes repreendidas por mim desde sempre, porém agora com mais cuidado.

     As "ameaças" de perder meu filho também me cansaram, me venceram. Me cansei de ter que ouvir que tenho o menino comigo porque o pai concorda, porque ele quer assim, mas que se não quisesse tiraria de mim, com certeza, pela forma como as coisas aconteceram. Legal, agora é preconceito disfarçado de preocupação, tenho notado muito isso nas pessoas ultimamente.

     Enfim, dúvidas, preocupações, culpa, tristeza... tudo me afetou e me venceu nesse momento. Tomei a decisão mais sofrida da vida, voltei pro meu antigo apartamento com meu filho, não era uma reconciliação, mas havia esperanças nos dois, pai e filho, óbvio. Resolvi dar um passo atrás e um recomeço, fazer as coisas direito dessa vez.

     Durou pouco.... fiquei lá por 4 longos dias, triste, sufocada... chorava, sofria... e ele também. Aconteceu o imaginável mesmo, abri o jogo, disse à ele que não dava mais, era mesmo um ponto final na nossa história, pois eu sentia que havia deixado pra trás o meu porto seguro, Val. Senti muitíssimo a falta dela, uma saudade absurda, enlouquecedora, impossível continuar com isso. Minha vida é dela, meu amor é dela, tudo o que faço é por ela. E ponto. Simples assim. Amor além da vida, mais forte que tudo.

     Tudo mais claro e definitivamente resolvido agora. Meu filho absorveu a situação e entendeu que se os pais dele estiverem felizes ele também estará. Agora estou de volta à vida que escolhi ter, ao lado da Val sempre.

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!